O coronavírus e o trabalho remoto

Trabalho 01 abr 2020

O trabalho remoto não é uma ideia nova. De acordo com vários estudos, trabalhar em casa aumenta a produtividade e a qualidade de vida. As empresas brasileiras ainda não acordaram para essa nova forma de produção. Contudo, em tempos de pandemia, é preciso rever essa postura rapidamente. Até porque a tendência é que fatos como esses se intensifiquem e sejam mais regulares no futuro.

Além de ser uma medida preventiva nesse momento para evitar a disseminação da Covid19, o trabalho remoto tem também vantagens sociais, ambientais e econômicas: reduz despesas dos escritórios (energia elétrica, material de consumo etc), diminui a emissão de gases poluentes ao evitar o deslocamento diário, aumenta o tempo de convivência com filhos e familiares em casa.

Nesse sentido, gostaria de compartilhar o que estamos fazendo na Cartello para viabilizar o trabalho remoto. Essa atitude começou comigo. Por causa do grande fluxo do trânsito no começo da manhã no bairro de Boa Viagem, onde moro no Recife, comecei a trabalhar logo cedo ainda em casa para sair depois do horário de pico. Esse hábito foi se estendendo nos últimos dois anos. Hoje, trabalho a parte da manhã em casa e vou para o escritório apenas para o expediente da tarde.

Em relação à equipe, o trabalho remoto começou a tomar forma em 2019. Houve uma greve de ônibus no Recife, onde ficamos sediados, que durou cerca de uma semana. A solução foi colocar todos para trabalhar em casa tentando minimizar o impacto. O que se desenhava ser uma baixa na produção acabou se mostrando o contrário. Superamos a meta prevista para a semana e a equipe fez diversos relatos de melhoria da qualidade de vida. Acordar um pouco mais tarde e não enfrentar o rush do transporte público foram os mais citados.

Por causa do bom resultado, começamos a praticar o home office em outras situações: nos dias que antecedem feriadões e quando grandes chuvas ou protestos causavam tumulto no trânsito e atrasos no horário de chegada. O auge da aplicação dessa modalidade foi nas semanas que compreenderam o Natal e o Ano Novo. Fizemos home office por quase 15 dias e deu tudo certo.

Porém, para que o trabalho remoto alcance os resultados a que chegamos, é preciso preparar a estrutura da empresa. Implementamos uma série de mudanças tecnológicas, tais como colocar todos os nossos sistemas operacionais na nuvem e passar a trabalhar com fornecedores que ofereciam serviços digitais de confiança: contabilidade, bancos, provedores de email e hospedagens, entre outros.

Além disso, é preciso mudar também a gestão da equipe. No horário de início do trabalho, por exemplo, temos o bom-dia. Todos se apresentam no grupo de Whatsapp e dão bom dia se colocando a postos para o trabalho. E, assim, flui durante o expediente para interação da equipe e esclarecimentos de dúvidas sobre as tarefas.

Só falta agora consolidar as reuniões por videoconferência com clientes e fornecedores. Aí estaremos preparados 100% para o trabalho remoto. E para as pandemias também. Até porque a melhor prevenção para a Covid 19 é ficar em casa.